sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Sabedoria
Depois de um dia de caminhada pela matamestre e discípulo retornavam ao casebreseguindo por umalonga estradaAo passarem próximo a uma moita de samambaiaouviram um gemidoVerificaram e descobriram caído um homemEstava pálido e com uma grande mancha de sanguepróximo ao coraçãoO homem tinha sido feridoe já estava próximo da inconsciênciaCom muita dificuldademestre e discípulocarregaram o homem para o casebre rústicoonde trataram do ferimento Uma semana depoisjá restabelecido o homem contou que havia sido assaltado e que ao reagir fora ferido por uma faca Disse que conhecia seu agressor e que não descansaria enquanto não se vingasse Disposto a partir, o homem disse ao sábioSenhor muito lhe agradeçopor ter salvo minha vidaTenho que partir e levo comigo a gratidão por sua bondadeVou ao encontro daquele que me atacou e voufazer com que ele sinta a mesma dor que sentiO mestre olhou fixo para o homem e disseVá e faça o que deseja entretanto devo informá-lo de que você me deve três mil moedas de ouro como pagamento pelotratamento que lhe fizO homem ficou assustado e disseSenhor, é muito dinheiroSou um trabalhadore não tenho como lhe pagar esse valor Se não podes pagar pelo bem que recebestecom que direito querescobrar o malque te fizeramO homem ficou confusoe o mestre concluiuAntes de cobrar alguma coisaprocure saber quanto você deveNão faça cobrança pelas coisas ruins que te aconteçamnesta vida pois a vidapode te cobrar tudo quevocê lhe deveE com certeza vocêvai pagar muitomais caroReflexão "O vento que as vezes tira algo que amamos é o mesmo que nos traz algo que aprendemos a amar...por isso não devemos chorar pelo que nos foi tirado e sim aprender a amar oque nos foi dado...Pois tudo aquilo que é realmente nosso nunca se vai PARA SEMPRE!"

Um comentário:

cristiane_fuster disse...

Adorei a mensagem Parabéns